Carregando
(82) 3221.7608 | 3336.6427

Agentes penitenciários iniciam greve no dia 2

Por Imprensa (quarta-feira, 27/04/2011)
Atualizado em 27 de abril de 2011


Os agentes penitenciários decidiram em assembleia paralisar as atividades por tempo indeterminado após a proposta apresentada pelo governador Teotonio Vilela Filho de reajuste de 5,91%, em duas vezes.


Em assembleia, os agentes penitenciários decidiram iniciar a paralisação no dia 2 de maio. A categoria está, há quatro anos, sem reajuste salarial. Eles deverão manter apenas os serviços essenciais para o funcionamento do sistema penitenciário de Alagoas. Entre as atividades que deverão ser suspensas durante a greve, estão a escolta judiciais de presos – para fóruns da capital e interior -, banho de sol diário e visitações de parentes.


De acordo com o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindapen), Jarbas de Souza, no decorrer da semana a categoria deverá definir como se dará o movimento. “Vamos definir outras questões com relação ao movimento unificado, mas iremos aplicar a Operação Legal nos presídios, onde vamos cobrar a implantação total da Lei de Execuções Penais”, destacou.


Durante a coletiva realizada na segunda-feira (27), Jarbas informou que o sindicato esteve reunido com representantes dos módulos dos presídios para apresentar a real situação da categoria e anunciar a possível greve dos agentes. “Não queremos prejudicar a população carcerária, mas sabemos das complicações que ela [greve] traz para os presídios. Se decretarmos a greve, vamos fazer de forma responsável e tentar amenizar ao máximo os transtornos para os detentos”, explicou.


Esta é a segunda greve realizada pelos agentes apenas este ano. No mês de janeiro, a categoria decidiu retornar as atividades após o Governo do Estado informar que anunciaria o reajuste da categoria, junto com o Plano de Cargos e Carreira, em 90 dias.


Além do reajuste salarial – onde pleiteiam a aplicação de um piso mínimo unificado da segurança pública, de R$ 3 mil -, os agentes reivindicam a realização de novo concurso público e melhores condições de trabalho. Os presídios estariam sem receber investimentos para reestruturação dos prédios desde o início do primeiro governo Téo Vilela.

Compartilhe essa notícia

WhatsApp

Comentários

Faça agora seu Recadastramento
e fique informado

© Copyright 2001 - 2021 | SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DE ALAGOAS