Carregando
(82) 3221.7608 | 3336.6427

Alagoas tem o pior índice de desenvolvimento humano do país

Por Imprensa (segunda-feira, 29/07/2013)
Atualizado em 29 de julho de 2013

Renée Le Campion

Alagoas amargou os piores índices na Educação

Alagoas possui o menor Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDMH) do Brasil, segundo pesquisa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) divulgada na segunda-feira (29), que leva em consideração os critérios de renda, longevidade e educação.

Os dados para elaboração da pesquisa são referentes ao censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do ano de 2010. No ranking do IDHM, Alagoas amarga a pior colocação, com a média de 0,631 do total de um ponto. O estado que atingiu o melhor resultado foi São Paulo, com 0,783.

Em relação à renda, os alagoanos ficam na segunda pior colocação, com 0,641 pontos contra 0,612 do Maranhão. No que diz respeito à educação e longevidade, o estado obteve a última classificação. Na primeira área, ficou com a pontuação de 0,520 e na segunda, 0,755.

Expectativa de vida e mortalidade infantil

A esperança de vida ao nascer dos alagoanos é a pior do país, com a marca de 70,32 anos de idade, enquanto que o melhor resultado da expectativa de vida é do Distrito Federal, com 77 anos.

O índice de mortalidade infantil, segundo dados de 2010, é o mais alto o país. A cada mil crianças nascidas vivas, uma média de 28,40 delas não sobrevive ao primeiro ano de vida.

Renda per capita

A renda per capita do alagoano é a terceira pior do país, com o indicador de 432,56. O estado ficou à frente apenas do Maranhão (360,34) e do Piauí (416,93).

A melhor renda per capita foi obtida pelo Distrito Federal, com 1.715,11 pontos. São Paulo e Rio de Janeiro também tiveram resultados positivos, com mais de mil de pontos.

Estado tem o maior número de pobres

De acordo com a pesquisa, Alagoas tem o maior índice de pobres do país: 34,29% da população vive em condições de pobreza. Já o nível de extrema pobreza é de 16,66%, ficando à frente apenas do Maranhão (22,47) e Piauí (18,77).

No que diz respeito à porcentagem de vulnerabilidade à pobreza, o resultado é o segundo pior do Brasil, com 59,76%, perdendo apenas para o Maranhão (63,58).

Educação: os piores índices

Alagoas amarga as piores taxas de analfabetismo do país. Os índices analisam o analfabetismo de 11 a 14 anos, 15 anos ou mais, 15 a 17 anos, 18 anos ou mais e de 18 a 24 anos. Em todas essas faixas etárias, os resultados do estado foram os mais baixos.

A porcentagem de jovens de 15 a 17 anos com ensino fundamental completo é a pior do país, com 39,56%. Ainda segundo a pesquisa, 40,57% dos jovens de 18 anos ou mais têm o ensino fundamental completo. Em todos os outros índices, Alagoas obteve um desempenho baixo.

Maceió tem IDHM considerado alto

Enquanto que o estado possui indicadores negativos, a capital alagoana apresentou um Índice de Desenvolvimento Humano Municipal considerado alto. A marca do IDHM de 2010 de Maceió foi de 0,721.

Entre os anos de 2000 e 2010, a dimensão que mais cresceu em termos absolutos foi educação (com crescimento de 0,202), seguida por longevidade e renda. Entre 1991 e 2000, a dimensão que mais cresceu em termos absolutos foi educação (com crescimento de 0,094), seguida por longevidade e por renda.

Em 2010, o IDHM de educação foi de 0,635, o de longevidade, 0,799, e de renda, 0,739.

Tudonahora

Compartilhe essa notícia

WhatsApp

Comentários

Faça agora seu Recadastramento
e fique informado

© Copyright 2001 - 2021 | SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DE ALAGOAS