Carregando
(82) 3221.7608 | 3336.6427

Estudo mostra aumento da violência em cidades do interior de Alagoas

Por Imprensa (segunda-feira, 19/12/2011)
Atualizado em 19 de dezembro de 2011

 Pilar é uma das cidades onde a violência mais cresceu

O Mapa da Violência 2012, do Instituto Sangari, aponta a descentralização da violência no Estado de Alagoas. Segundo o levantamento, o número de homicídios deixou de crescer apenas na capital. Cidades pequenas do interior também passaram a registrar mortes violentas. No ranking dos 200 municípios mais violentos do país figuram 18 cidades alagoanas de pequeno porte, como Pilar e Messias.


Com isso, Alagoas continua a figurar como o estado brasileiro onde a violência mais aumentou entre os anos de 2000 e 2010, segundo o relatório.


Pela pesquisa, a violência em Alagoas cresceu 187.8% no espaço de dez anos. No ano de 2000, foram registrados oficialmente 724 homicídios; em 2010, o número passou para 2.084. Entre os municípios mais violentos do país, Maceió ocupa a 9ª posição no ranking, com uma média de 103,8 mortes violentas em 2010. Com o número, a capital alagoana fica na frente de outras cidades que historicamente apresentam registros mais recorrentes de criminalidade, como Recife, Vitória e Salvador, que ocupam as 43º, 52ª e 81ª posições respectivamente.


A surpresa, entretanto, está nos números registrados nas cidades do interior de Alagoas. Entre estas, Arapiraca é a mais violenta, ficando na 11ª posição nacional. Outras cidades como Pilar, Messias, Marechal Deodoro, Teotônio Vilela, São Miguel dos Campos, Paripueira, Piranhas e Branquinha aparecem entre as 200 mais sangrentas de todo o Brasil.


Numa visão geral, o estudo do Instituto Sangari mostra que nos últimos 30 anos a violência em todo o país cresceu 259%. O número de homicídios passou de 13,9 mil em 1980 para 49,9 mil em 2010. O aumento do número de mortes violentas foi registrado principalmente no interior dos estados.


O Mapa apresentado aponta que os polos da violência têm se deslocado das capitais para o interior. A estimativa do Sangari é que, se os índices de homicídio continuarem aumentando, em menos de uma década as taxas do interior deverão ultrapassar as das capitais e regiões metropolitanas.


Em 15 municípios brasileiros, os índices ultrapassam a casa dos 100 homicídios a cada 100 mil habitantes – uma taxa praticamente quatro vezes maior que a já elevada média nacional de 26,2 homicídios por 100 mil habitantes. Segundo o estudo, as cidades de Simões Filho (BA), Campina Grande (PB), Marabá (PA), Guaíra (PR) e Porto Seguro (BA) ocupam as primeiras posições do ranking.


O aumento da violência no interior, segundo o estudo, é resultado da estagnação econômica nas grandes capitais e regiões metropolitanas, dos investimentos na segurança e a consequente melhoria da eficiência repressiva nos grandes centros e o surgimento de novos polos de crescimento no interior de diversos estados.


De acordo com o estudo, a interiorização da violência demonstra a falta de políticas específicas para combater a criminalidade em municípios de médio e pequeno porte.


Número de mortes no país supera a de países em conflito


De acordo com o relatório, a média anual de mortes por homicídio no país supera o número de vítimas de enfrentamentos armados no mundo. Entre 2004 e 2007, 169,5 mil pessoas morreram nos 12 maiores conflitos mundiais. No Brasil, o número de mortes por homicídio nesse mesmo período foi 192,8 mil.


No entanto, o relatório aponta que nesses 30 anos houve uma ruptura no crescimento da taxa de homicídios no país. A partir de 2005 foi verificada uma instabilidade, com oscilações em torno de 26 homicídios em 100 mil habitantes. Em 2010, ocorreram 50 mil assassinatos no país. Segundo o relatório, foram registrados 137 homicídios por dia.


Os dados do Mapa da Violência demonstram, ainda, que os estados que lideravam as estatísticas no início da década, como Pernambuco, Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo, Mato Grosso, Roraima e Distrito Federal apresentam quedas do índice de homicídios. São Paulo e Rio de Janeiro apresentam reduções de 63,2% e 42,9%, respectivamente.


Por outro lado, os 17 estados com as menores taxas do país no ano 2000 apresentam taxas crescentes. Em vários locais, esse aumento teve tal magnitude que levou os estados a ocuparem um lugar de destaque no contexto nacional no final da década. Assim, Alagoas passou a ocupar o primeiro lugar no Mapa da Violência. O Pará passou da 21ª posição para a terceira; a Paraíba, da 20ª para a sexta, e a Bahia, da 23ª para sétima posição.


Municípios mais violentos de Alagoas


9º – Maceió


11º – Arapiraca


20º – Pilar


31º – Messias


40º – Marechal Deodoro


41º – São Sebastião


47º – Teotônio Vilela


67º – São Miguel dos Campos


70º – União dos Palmares


88º – Joaquim Gomes


95º – Rio Largo


121º – Piranhas


125º – Flexeiras


127º – São José da Laje


165º – Paripueira


166º – Branquinha


170º – Penedo


176º – Coruripe



Fonte: TudonaHora com Agências

Compartilhe essa notícia

WhatsApp

Comentários

Faça agora seu Recadastramento
e fique informado

© Copyright 2001 - 2021 | SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DE ALAGOAS