Carregando
(82) 3221.7608 | 3336.6427

Internautas defendem valorização do policial e rejeitam `Bico Legal'

Por Imprensa (segunda-feira, 15/08/2011)
Atualizado em 15 de agosto de 2011

A proposta de criação de um projeto de lei que institui a atividade delegada, que prevê a remuneração de policiais militares nos horários de folga, através de convênio firmado junto ao Governo do Estado e Prefeitura, o conhecido `Bico Legal’, segue como foco da maior polêmica envolvendo a segurança pública há mais de um mês.


Apontado como uma das cidades mais violentas do país, o projeto de autoria do presidente da Câmara de Vereadores, Galba Novaes (PRB), já criou `rusgas’ com o vice-governador, José Thomaz Nonô (DEM), e sofreu rejeição de segmentos importantes, como o Conselho Estadual de Segurança, além de representantes de vários segmentos da sociedade civil organizada.


Para defender seu projeto, o presidente da Casa de Mário Guimarães trouxe para Maceió o major da Polícia Militar de São Paulo, Wagner Rodrigues, e o consultor em segurança, Reinaldo Japa Takarabe. São Paulo, aliás, é a cidade usada como modelo por Novaes quando da defesa do Bico Legal em Maceió. Ainda segundo o vereador alagoano, as gratificações teriam valores entre R$ 800 e R$ 1.300.


Apesar de ser apontado como parceiro no projeto, o prefeito Cícero Almeida (PP) disse em entrevista ao Alagoas24Horas que `já faz a sua parte com a Guarda Municipal, e como não tem conhecimento de causa sobre este assunto prefere não opinar’.


Em meio à polêmica, o Alagoas24Horas decidiu perguntar ao seu leitor se ele era a favor da legalização do `bico’ policial. Mais de três mil internautas (3.315) participaram da enquete. 1.486 (44,8%) internautas se mostraram favoráveis ao projeto Bico Legal. Já 1.829 (55,2%) leitores se disseram contra a regulamentação do bico.


A enquete ainda gerou 50 comentários. Na avaliação maciça dos leitores, a redução dos índices de violência passa, obrigatoriamente, pela valorização da atividade policial, sem – contudo – implantar a atividade delegada. “Legalizar o `bico’ é uma forma de oficializar o sofrimento do profissional de segurança pública, o policial já trabalha em carga horária excessiva, o que precisa ser feito é realização de concursos, e pagar um salário decente a estes profissionais”, avaliou um internauta.


“Acho que o policial deve ser bem remunerado e treinado para exercer a sua função. Que é defender o cidadão que paga seus impostos. Ele deve ter salário digno, que o tornará uma pessoal incorruptível”, avalia outro leitor.


Até mesmo entre os defensores do projeto, a questão salarial é a mais destacada. “Este projeto só visa legalizar o que hoje já é feito pelos militares que ganham pouco e têm que complementar sua renda arriscando suas vidas em busca de alguns trocados a mais”.


 Cláudia Galvão – Alagoas24horas


O tema, que atinge todos os integrantes do aparelho de segurança do Estado, deve ainda render discussão em diversos segmentos, além de tramitar na Câmara de Vereadores de Maceió.

Compartilhe essa notícia

WhatsApp

Comentários

Faça agora seu Recadastramento
e fique informado

© Copyright 2001 - 2021 | SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DE ALAGOAS