Carregando
(82) 3221.7608 | 3336.6427

Sindpol conquista a interdição da delegacia regional de Santana do Ipanema

Por Imprensa (terça-feira, 13/03/2012)
Atualizado em 13 de março de 2012

Decisão do magistrado foi baseada na ação civil pública interpolada pelo MP que alega precariedades na unidade prisional

 

Atendendo ao pedido do Sindpol, a carceragem da Delegacia Regional de Santana do Ipanema foi interditada, na manhã da sexta feira (2), após determinação do juiz da 3ª Vara da Comarca do município, Diego Araújo Dantas.

A decisão do magistrado foi baseada em uma liminar proposta pelo Ministério Público local que alega através de laudos e outros fatores a falta de condições da unidade prisional para abrigar detentos.

Além da interdição, a ação civil pública interpolada pelos promotores Amilton Carneiro, Elisio Maia, Jorge Bezerra e Tânia Cristina, responsáveis pela promotoria municipal, pede que o Estado, responsável pela delegacia, tome as devidas providências para viabilizar os trabalhos naquela unidade.

Segundo um agente de polícia daquela delegacia, após a determinação, todos os detentos serão transferidos imediatamente para os presídios de Arapiraca ou Maceió. Caso haja descumprimento da resolução, será aplicada multa diária de R$ 10 mil ao Estado e de R$ 2 mil a Secretaria de Defesa Social.

O Sindpol havia solicitado a interdição da regional, a Justiça concedeu a interdição da carceragem.

Precariedade

O Sindpol denunciou as precárias condições estruturais da regional de Santana do Ipanema. A delegacia passou por “reformas”, no entanto, foram constatados infiltrações e mofos em todos os recintos, provocando doenças respiratórias e alérgicas aos policiais e detentos.

As instalações elétrica e sanitária apresentam problemas. O mau cheiro é intenso no local. O reservatório d’água, localizado fora da regional, está aberto. Essa água é consumida pelos presos. No mesmo local, ficam os esgotos a céu aberto e materiais apreendidos. Nos alojamentos, as camas estão quebradas e sem colchões.

De armamento, só há apenas uma metralhadora obsoleta para uso dos policiais plantonistas, e pistolas quebradas. Existem apenas quatro coletes à prova de balas. Dos 45 presos na regional, quinze fugiram devido à vulnerabilidade da segurança. Para se ter uma idéia, com um simples toque os rebocos se desmancham. Dos fugitivos, os policiais conseguiram recuperar nove. A regional ainda possui 37 presos – a maioria é oriunda de outras cidades do Estado. Eles reclamam da falta de higiene no local, da ausência de materiais para limpeza e da alimentação.

O efetivo policial é insuficiente para prestar segurança. Diariamente, são quatro policiais na regional. Esses policiais ainda têm que prestar expediente nas suas delegacias municipais. A carga horária de 40 horas semanais acaba sendo desrespeitada. Eles não estão recebendo horas extras.

Do Sindpol com informações do Minuto do Sertão

Compartilhe essa notícia

WhatsApp

Comentários

Faça agora seu Recadastramento
e fique informado

© Copyright 2001 - 2021 | SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DE ALAGOAS