Carregando
(82) 3221.7608 | 3336.6427

Parlamento espanhol aprova reforma trabalhista

Por Imprensa (sexta-feira, 10/09/2010)
Atualizado em 10 de setembro de 2010

O Parlamento espanhol aprovou nesta quinta-feira as emendas finais de uma reforma trabalhista com a qual o governo espera promover a recuperação econômica e reduzir o desemprego de 20 por cento, o maior da zona do euro.


 


Câmara e Senado aprovaram as propostas, destinadas a dificultar que um desempregado rejeite uma oferta de emprego ou treinamento e a reduzir os custos para a demissão de trabalhadores, que estão entre os mais elevados do mundo desenvolvido. Sindicatos protestaram contra as medidas.


 


Em maio, o governo socialista havia adotado um plano de austeridade de 15 bilhões de euros (19 bilhões de dólares), que incluía reduções nos salários do funcionalismo público e congelamento nos gastos com infraestrutura.


 


As reformas estruturais e a redução do déficit foram a resposta do governo ao ataque dos mercados contra os títulos públicos espanhóis, o que levou a União Europeia e o FMI a criarem um “colchão” financeiro de 1 trilhão de dólares para evitar que a crise da dívida grega se espalhasse para outros países da zona do euro.


 


O governo havia realizado a reforma trabalhista por decreto, em junho, e desde então o Parlamento preparava ajustes.


 


Críticos dizem que as reformas são tímidas demais para terem algum efeito sobre o mercado de trabalho espanhol, onde o desemprego disparou com o fim da bolha imobiliária, em 2007.


 


Mais de 280 emendas foram votadas na quarta-feira. Por iniciativa da bancada socialista, trabalhadores que rejeitarem uma oferta de emprego ou treinamento profissional após 30 dias perderão direito a benefícios. O prazo atual é de cem dias.


 


Sindicatos dizem que a medida permitirá que o governo “maquie” as cifras de desemprego, porque quem aceitar o treinamento profissional deixará a estatística da desocupação.


 


Os sindicatos convocaram uma greve geral para o dia 29, em protesto contra as medidas de austeridade e a reforma trabalhista.


 


O governo também tem tentado atenuar as medidas de austeridade, restaurando alguns projetos de obras públicas e permitindo a contração de dívidas por prefeituras.


 


Outra mudança na reforma estabelece o salário mínimo de 633 euros por mês para empregados domésticos e outros trabalhadores que possam receber pagamento em espécie.


 


(Reportagem de Jonathan Gleave e Judith MacInnes – REUTERS) 


 

Compartilhe essa notícia

WhatsApp

Comentários

Faça agora seu Recadastramento
e fique informado

© Copyright 2001 - 2021 | SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DE ALAGOAS